Ricardo Bergamini

sua própria moeda???

0 Comentários 22 janeiro 2018

Amigo Souza,

Muitas cidades no Brasil em períodos de crise já criaram a sua própria moeda, não há nada de especial ou novo nisso. Da mesma forma que um grupo qualquer no planeta possa fazer a mesma coisa (principalmente para se utilizar nas operações ilegais). O que há de errado é usar essa moeda como investimento, mas mesmo assim para os que acreditam na possibilidade de ganhos astronômicos sem se produzir um único alfinete, sugiro que vão em frente e desejo muito sucesso. Vide abaixo ganho de 1.858,02% ao ano, ou seja: quem aplicou US$ 100,00 em 31/12/16 em 31/12/17 tinha US$ 2.000,00 vindo das nuvens, sem se produzir coisa algum.

Nos Estados Unidos, onde o bitcoin era negociado a US$ 952,55 em 31 de dezembro de 2106 e em dezembro de 2017 chegou a US$ 18.651,10.

Especialistas alertam para os riscos de investir em bitcoin

As criptomoedas, em especial o bitcoin, são a nova febre do momento no país

AT Antonio Temóteo

postado em 17/12/2017 06:00 / atualizado em 17/12/2017 11:44

‘Não hipoteque sua casa para comprar essas moedas ‘ – Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central (BC)(foto: Evaristo Sá/AFP)

Investir parte das economias requer planejamento e consciência de que o tamanho do retorno depende do risco assumido. Quem é mais cauteloso, costuma procurar aplicações atreladas à renda fixa. A renda variável é recomendada para quem tem perfil mais arrojado, diante das oscilações nos preços das ações. Entretanto, o investimento mais popular do país atualmente são as criptomoedas, em especial o bitcoin. A moeda virtual acumula a impressionante valorização de 1.800%, conforme o site especializado norte-americano Coin Market Cap.

Entretanto, diversos cuidados devem ser tomados antes de decidir investir em moedas virtuais. O primeiro deles é saber que esse ativo não é regulado por nenhum banco central, não tem lastro, as perdas não são garantidas pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) e que são comuns oscilações superiores a 20% em um único dia. Para se ter uma ideia, quando há volatilidade superior a 10% na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), o pregão é interrompido por alguns minutos e isso ocorre, sobretudo, em momentos de crise. Logo, aplicações em bitcoins e outras moedas digitais geram exposição a um risco fora dos padrões.

O presidente da Mercado Bitcoin, Rodrigo Batista, uma das principais corretoras de moedas virtuais do país, ressalta que a criptomoeda é um ativo com diversos riscos envolvidos. Segundo ele, os interessados não devem aplicar parte significativa do patrimônio ou uma quantidade de dinheiro que fará falta. “O bitcoin, sobretudo, ainda é uma tecnologia experimental. As pessoas precisam estudar o negócio antes de investir”, detalha. De acordo com Guto Schiavon, sócio-fundador da FOXBIT, os interessados em aplicar em criptomoedas precisam ter noção de que esse é um mercado com grande volatilidade e é necessário o mínimo de conhecimento antes de tomar a decisão de investimento.

Nos Estados Unidos, onde o bitcoin era negociado a US$ 952,55 em 31 de dezembro de 2016 e em dezembro de 2017 chegou a US$ 18.651,10, os interessados em comprar a criptomoeda têm colocado em risco o próprio patrimônio. Muitos têm hipotecado as casas para usar o dinheiro em busca do retorno acumulado no último ano. “Não hipoteque sua casa para comprar essas moedas”, alerta o presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn. O chefe da autoridade monetária é um dos principais críticos às moedas virtuais, sobretudo ao bitcoin.

Segundo ele, as moedas eletrônicas têm duas funcionalidades. A primeira, especulativa, de gerar ganhos para quem compra e vende, o que estimula a formação de bolhas e pirâmides. A outra é dar suporte a atividades ilícitas. “Quem usa essas moedas virtuais para cometer crimes não está isento de punições legais”, destaca. Apesar das críticas, Ilan avalia que a tecnologia por trás do bitcoin, o blockchain, deve ser usada em outras atividades em um futuro bem próximo.

PIRÂMIDE O bitcoin foi criado em 2008 por Satoshi Nakamoto, pseudônimo usado pela pessoa ou grupo de criadores da tecnologia. Quando duas pessoas resolvem fazer uma transação de bitcoin, a cadeia de blocos com as informações da operação é enviada pela rede e verificada por mineradores, que autenticam os dados. Após a atuação dos mineradores, a operação vai para um “livro-razão”, que é publico e não pode ser alterado. Dessa forma, os arquivos não podem ser copiados ou fraudados e as transações não podem ser rastreadas.

Mesmo com a valorização do ativo, pouquíssimos estabelecimentos comerciais ou prestadores de serviço no Brasil aceitam pagamentos em moedas digitais. O ativo tem sido usado mais como forma de investimento do que uma moeda para realização de transações.

Apesar disso, o grupo goiano BRShare anunciou, esta semana, que passou a aceitar pagamento em criptomoedas, não só em bitcoin, para seu pacote turístico com destino aos hotéis que mantém em Caldas Novas (GO). Como forma de pagamento, serão aceitas, inicialmente, as criptomoedas bitcoin, dash, monero, Iota e ethereum.

 

Ricardo Bergamini
(48) 99636-7322 – (48) 99976-6974
ricardobergamini@ricardobergamini.com.br
www.ricardobergamini.com.br

Deixe sua opinião

Poste um comentário

Samaúma Online

Portal


Entre no PORTAL MAÇÔNICO. - Restrito. - Utilize-se da Senha de nove letras minúsculas em que se devem considerar termos no plural.


Mozart – Gran Missa en do m.-10. Et Incarnatus est (Bernstein)


O G20 só fortaleceu Donald Trump.


Basílica de São Pedro


Cenário Brasil e os mercados financeiros aqui e no mundo

Explica ou te devoro
fotos através de paredes
O contrário do Amor é o Poder

Cubana defende Trump e o Agradece


o manual do IDIOTA útil

 

Thatcher sobre Sindicatos e Ocupações
Diego Amorim entrevista o presidente do IBGE
Vaidade das vaidades tudo é vaidade?│Monja Coen

© 2018 Samaúma. DESENVOLVIDO POR IDEIAS WEB COM WordPress.