POEMAS & CANÇÕES

Sertaneja

0 Comentários 31 janeiro 2018

René Bittencourt

Sertaneja, se eu pudesse,
Se Papai do Céu me desse
O espaço pra voar,
Eu corria a natureza
E acabava com a tristeza
Só pra não te ver chorar.

Na ilusão deste poema
Eu roubava um diadema
Lá no céu pra te ofertar
E onde a fonte rumoreja
Eu erguia tua igreja,
Dentro dela o teu altar.

Sertaneja, por que choras
Quando eu canto
Sertaneja, se este canto
É todo teu?
Sertaneja, pra secar
Os teus olhinhos
Vais ouvir os passarinhos
Que cantam mais do que eu.

A tristeza do teu pranto
É mais triste quando eu canto
A canção que te escrevi
E os teus olhos, neste instante,
Brilham mais que a mais brilhante
Das estrelas que já vi.

Sertaneja, vou embora!…
A saudade vem agora
E a alegria vem depois.
Vou subir por essas serras,
Construir lá noutras terras
Um ranchinho pra nós dois.

(Sertaneja, por que choras quando eu canto?)

É uma canção de René Bittencourt (1917-1979) e foi o primeiro sucesso docompositor, tendo sido gravada por Orlando Silva na R. C. A. Victor, em 1939

Deixe sua opinião

Poste um comentário

Samaúma Online

Portal


Entre no PORTAL MAÇÔNICO. - Restrito. - Utilize-se da Senha de nove letras minúsculas em que se devem considerar termos no plural.


Mozart – Gran Missa en do m.-10. Et Incarnatus est (Bernstein)


O G20 só fortaleceu Donald Trump.


Basílica de São Pedro


Cenário Brasil e os mercados financeiros aqui e no mundo

Explica ou te devoro
fotos através de paredes
O contrário do Amor é o Poder

Cubana defende Trump e o Agradece


o manual do IDIOTA útil

 

Thatcher sobre Sindicatos e Ocupações
Diego Amorim entrevista o presidente do IBGE
Vaidade das vaidades tudo é vaidade?│Monja Coen

© 2018 Samaúma. DESENVOLVIDO POR IDEIAS WEB COM WordPress.