Notícias

O atordoante custo da Revolução Russa

0 Comentários 08 novembro 2017

 em termos de vidas humanas

Nunca houve uma ideologia tão insidiosa e mortífera quanto o marxismo-leninismo

Yuri N. Maltsev

Ao que tudo indica, o presidente russo Vladimir Putin gostaria de ignorar a Revolução Bolchevique, que completa 100 anos este mês (ela ocorreu no dia 25 de outubro de 1917 pelo calendário juliano ou 7 de novembro pelo calendário gregoriano). Segundo a imprensa, Putin disse aos seus conselheiros que seria desnecessário comemorar a ocasião.

Sábia decisão. Não há nada do que se orgulhar nesta data.

Começou com a Revolução de 1917

Os horrores do socialismo do século XX — de Lênin, Stalin, Hitler, Mussolini,Fidel Castro, Mao e Pol-Pot — são frutos de 1917.

Setenta anos antes, Marx e Engels previram que a derrubada da burguesia requereria muita violência e “uma ditadura do proletariado […] para eliminar os eventuais resquícios de elementos capitalistas.”

Lênin conduziu esta “eliminação” recorrendo ao terror indiscriminado, assim como os socialistas russos haviam feito antes dele e outros continuariam fazendo após sua morte.

O falecido Rudolph Rummel, o demógrafo perito em contabilizar todos os homicídios em massa causados por governos, estimou o total de vidas humanas dizimadas pelo socialismo do século XX em 61 milhões na União Soviética, 78 milhões na China, e aproximadamente 200 milhões ao redor do mundo. Todas essas vítimas pereceram de inanições causadas pelo estado, coletivizações forçadas, revoluções culturais, expurgos e purificações, campanhas contra a renda não-merecida, e outros experimentos diabólicos envolvendo engenharia social.

Em termos de monstruosidade, esse terror simplesmente não encontra paralelos na história humana.

O golpe dado por Lênin no dia 7 de novembro de 1917, o dia em que o governo provisório de Kerensky caiu perante as forças bolcheviques, abriu uma nova etapa na história humana: um regime de escravidão do povo. Marx e Engels haviam definido o socialismo como “abolição da propriedade privada”. Na prática, o componente mais fundamental da propriedade privada — a propriedade do indivíduo sobre si próprio — foi o primeiro a ser abolido.

O planejamento econômico coletivista deu início à coerção, à violência generalizada e aos homicídios em massa.

Destruição no atacado

Os maiores alvos dos marxistas sempre foram a família, a religião e a sociedade civil — obstáculos institucionais à imposição do estado onipotente. Com os bolcheviques no poder, Lênin se dedicou com ímpeto à destruição destas instituições.

O assassinato de crianças se tornou uma norma após Lênin ter ordenado a execução do czar Nicolau II, de sua mulher Alexandra e de seus cinco filhos. Milhões de famílias foram capturadas, presas e coercivamente realocadas para as remotas e desabitadas regiões da Sibéria e do Cazaquistão. Durante a jornada ao exílio, centenas de milhares de crianças morreram enfermas ou de inanição, sendo enterradas em volumosas covas coletivas sem qualquer identificação.

Em 1935, Stalin introduziu o Artigo 12 do Código Criminal da URSS, o qual permitia que crianças a partir de 12 anos de idade pudessem ser condenadas à morte ou encarceradas como adultas. Esta “lei” foi criada visando especificamente às crianças órfãs das vítimas do regime, sob a crença de que, se os pais eram “reacionários”, então seus filhos também seriam. Várias dessas crianças, cujos pais haviam sido encarcerados ou executados, eram conhecidas como bezprizorni, isto é, crianças de rua. Elas foram enviadas para celas imundas e desguarnecidas localizadas em gulags selvagens e violentos, onde foram misturadas a perigosos criminosos. Nestas celas, as crianças eram brutalizadas e estupradas tanto pelos guardas quanto pelos criminosos comuns.

A União Soviética foi o primeiro estado a ter como objetivo ideológico e prático a eliminação da religião — ou, em outras palavras, o extermínio físico de pessoas religiosas. Com o decreto de Lênin de 20 de janeiro de 1918, deu-se início à estatização das propriedades eclesiásticas: igrejas, catedrais, capelas, pátios das igrejas e todos os edifícios pertencentes a igrejas foram espoliados e saqueados, e todos os itens valiosos (ouro, prata, platina, quadros, ícones, artefatos históricos) foram ou roubados por comunistas ou vendidos ao Ocidente via burocratas do governo, simpatizantes comunistas, e até mesmo viajantes simpatizantes do regime, como o magnata americano Armand Hammer, que conheceu Lênin em 1921.

Ser religioso na União Soviética quase sempre significava uma sentença de morte. O objetivo era o monopólio completo e absoluto do estado sobre as ideias e o espírito das pessoas. E a maneira de fazer isso era por meio da imposição de uma religião secular, o socialismo. Praticamente todos os clérigos e milhões de devotos de todas as religiões tradicionais foram ou fuzilados ou enviados para campos de trabalhos forçados. Seminários foram fechados e publicações religiosas, proibidas.

O marxismo-leninismo almejava ser um “socialismo científico”, capaz de apresentar a explicação universal para a natureza, a vida e a sociedade. No entanto, quaisquer desvios em relação a esta ideologia, especialmente o uso de métodos da tradicional ciência “burguesa”, eram punidos com morte. A perseguição aos cientistas não alinhados — que deu origem ao lysenkoismo — acabou se degenerando em um verdadeiro genocídio da classe. E a ciência russa, que até então havia prosperado aceleradamente, entrou em rápido declínio.

Um fracasso abjeto

 

Em dezembro de 1991, após setenta e quatro anos de caos, destruição e miséria, a Revolução Bolchevique fracassou e finalmente foi oficialmente abolida. O país mais extenso da terra, repleto de abundantes recursos naturais de todos os tipos, não mais conseguia nem sequer suprir as necessidades básicas de seus cidadãos.

Sem propriedade privada sobre os meios de produção, sem uma economia de mercado com um sistema de preços livres, e sem ter como fazer cálculo de lucros e prejuízos, o arranjo simplesmente não tinha como alocar racionalmente recursos escassos.

O mais lamentável é que tudo isso era perfeitamente evitável. Ainda em 1920, Ludwig von Mises já havia demonstrado de maneira até hoje irrefutável que o socialismo, além de utópico, era um esquema ilógico, antieconômico e impraticável em sua essência. Ele é impossível e destinado ao fracasso porque desprovido da fundamentação lógica da economia: o socialismo não fornece meio algum para se fazer qualquer cálculo econômico objetivo — o que, por conseguinte, impede que os recursos sejam alocados em suas aplicações mais produtivas.

E a efetiva implantação prática do socialismo mostrou a total validade da análise de Mises. O socialismo tentou substituir bilhões de decisões individuais feitas por consumidores soberanos no mercado por um “planejamento econômico racional” feito por uma comissão de iluminados investida do poder de determinar tudo o que seria produzido e consumido, bem como quando, como e quem faria a produção e o consumo. Isso gerou escassez generalizada, fome e frustração em massa. Quando o governo soviético decidiu determinar 22 milhões de preços, 460.000 salários e mais de 90 milhões de funções para os 110 milhões de funcionários do governo, o caos e a escassez foram o inevitável resultado. O estado socialista destruiu a ética inerente ao trabalho, privou as pessoas da oportunidade e da iniciativa de empreender, e difundiu amplamente uma mentalidade assistencialista.

O socialismo produziu monstros como Stalin e Mao Tsé-tung, e cometeu crimes até então sem precedentes contra a humanidade, em todos os estados comunistas. A destruição da Rússia e do Camboja, bem como a humilhação sofrida pela população da China e do Leste Europeu, não foram causadas por “distorções do socialismo”, como os defensores dessa doutrina gostam de argumentar. Elas são, isto sim, a consequência inevitável da destruição do mercado, que começou com a tentativa de se substituir as decisões econômicas de indivíduos livres pela “sabedoria dos planejadores”.

O fracasso do socialismo não depende da cultura, da época ou da localização das vítimas. Vai da Alemanha à Venezuela; de Cuba ao Camboja; da Coreia à Nicarágua. O socialismo já é falho em seu núcleo: a propriedade “coletiva” dos meios de produção. Sendo assim, não há como criar uma versão funcional e produtiva do socialismo em lugar nenhum do mundo.

Na pática, os problemas teóricos do socialismo geram convulsões sociais e protestos, os quais são combatidos com rigor pelas forças policiais do estado, resultando em uma carnificina maior que a de todas as guerras oficiais já travadas no mundo. Quando o povo se torna faminto e infeliz, é impossível o estado sobreviver caso esse povo saiba que há pessoas em outros lugares do usufruindo uma vida muito melhor. Por isso, os estados comunistas recorrem à propaganda, à desinformação e à censura para fazer com que uma já cativa população fique ainda mais confusa e submissa.

Infelizmente, em 1920, o entusiasmo pelo socialismo era tão forte, principalmente entre os intelectuais ocidentais, que os alertas de Mises foram totalmente ignorados. E a humanidade pagou caro por isso.

A ameaça sempre existe

Tendo por base minha própria vida na União Soviética, período esse que acabou no mesmo ano em que Vladimir Putin relatou aos seus chefes do KGB o colapso do Muro de Berlim, posso apenas atestar toda a validade da declaração feita por Ludwig von Mises de que o socialismo equivale a uma “revolta contra a economia”.

E, no entanto, o socialismo ainda possui milhões de simpatizantes no Ocidente. Muitos acreditam que o socialismo é bom, e que o comunismo, o fascismo e o nazismo é que são violentos e antidemocráticos. A mentalidade anticapitalista gerou homicídios em massa em todos os países socialistas, e segue gerando sofrimento até hoje nos locais em que ainda é experimentado.

A União Soviética já acabou assim como as enormes estatuas de Marx e Lênin que literalmente emporcalhavam várias cidades do Leste Europeu. Porém, ideias têm consequências, e nenhum outro corpo de ideias atraiu um número maior de seguidores devotos do que o marxismo-leninismo.

Se o poderoso argumento da impossibilidade do cálculo econômico sob o socialismo e a astronômica carnificina gerada por esse regime ainda não foram capazes de desanimar a esquerda em suas reiteradas exortações por mais socialismo, então nada mais o fará.

Há um aforismo russo que diz: “A única lição da história é que não aprendemos nada com a história”. Para um enorme número de pessoas — que continuam ignorando que o socialismo é uma ideia falida e mortal, tanto na teoria quanto na prática — isso nunca foi tão verdadeiro.

 

*Yuri N. Maltsev
membro sênior do Mises Institute e
foi um dos economistas da equipe de reforma econômica de Mikhail Gorbachev
antes de desertar para os Estados Unidos,
em 1989.
Foi o editor de Requiem for Marx e leciona economia no Carthage College.

Deixe sua opinião

Poste um comentário

Samaúma Online

Portal


Entre no PORTAL MAÇÔNICO. - Restrito. - Utilize-se da Senha de nove letras minúsculas em que se devem considerar termos no plural.

<iframe src=”https://www.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Ftsmaia%2Fposts%2F1483880105000552&width=500″ width=”500″ height=”298″ style=”border:none;overflow:hidden” scrolling=”no” frameborder=”0″ allowTransparency=”true”></iframe>
TROMBOSE Sendo debelada


Mozart – Gran Missa en do m.-10. Et Incarnatus est (Bernstein)


O G20 só fortaleceu Donald Trump.


Basílica de São Pedro


Cenário Brasil e os mercados financeiros aqui e no mundo

Explica ou te devoro
fotos através de paredes
O contrário do Amor é o Poder

Cubana defende Trump e o Agradece


o manual do IDIOTA útil

 

Thatcher sobre Sindicatos e Ocupações
Diego Amorim entrevista o presidente do IBGE
Vaidade das vaidades tudo é vaidade?│Monja Coen

© 2017 Samaúma. DESENVOLVIDO POR IDEIAS WEB COM WordPress.