Notícias

ESQUERDISMO NÃO É LIBERALISMO:

0 Comentários 13 setembro 2017

 A ESQUERDA ATACA HOJE OS PRINCIPAIS VALORES LIBERAIS

Por Dennis Prager*

Qual a diferença entre um esquerdista e um liberal? Responder a esta pergunta é vital para entender a crise que enfrentam hoje a América e o Ocidente. No entanto, poucos parecem capazes de fazê-lo. Ofereço o texto seguinte como um guia. Aqui está a primeira coisa a saber: os dois não têm quase nada em comum. Pelo contrário, o liberalismo tem muito mais em comum com o conservadorismo do que com o esquerdismo. A esquerda apropriou-se da palavra “liberal” de forma tão eficaz que quase todos – liberais, esquerdistas e conservadores – pensam que são sinônimo. Mas eles não são. Vejamos alguns exemplos importantes.

Raça: esta é talvez a mais óbvia das muitas diferenças morais entre liberalismo e esquerdismo. A essência da posição liberal sobre a raça era que a cor da própria pele é insignificante. Para os liberais de uma geração atrás, apenas os racistas acreditavam que a raça é intrinsecamente significativa. No entanto, à esquerda, a noção de que a raça é insignificante é ela mesma racista. Assim, a Universidade da Califórnia considera oficialmente a afirmação “Existe apenas uma raça, a raça humana” como racista. Por essa razão, os liberais eram apaixonadamente comprometidos com a integração racial. Os liberais devem estar enojados com a existência de dormitórios negros e graduações separadas de negros em campus universitários.

Capitalismo: os liberais sempre foram pró-capitalistas, reconhecendo-o pelo que é: o único meio econômico de tirar grandes números da pobreza. Os liberais muitas vezes consideravam o governo capaz de desempenhar um papel maior para tirar as pessoas da pobreza do que os conservadores, mas nunca se opunham ao capitalismo e nunca foram pelo socialismo. A oposição ao capitalismo e a defesa do socialismo são valores de esquerda.

PUBLICIDADE

Nacionalismo: os liberais acreditavam profundamente no Estado-nação, se sua nação era os Estados Unidos, a Grã-Bretanha ou a França. A esquerda sempre se opôs ao nacionalismo porque o esquerdismo está enraizado na solidariedade de classe, e não na solidariedade nacional. A esquerda tem desprezo pelo nacionalismo, vendo nele o primitivismo intelectual e moral na melhor das hipóteses, e o caminho para o fascismo na pior das hipóteses. Os liberais sempre quiseram proteger a soberania e as fronteiras americanas. A noção de fronteiras abertas teria atingido um liberal como tão censurável como a um conservador. É emblemático do nosso tempo que os escritores de esquerda da revista do Superman tenham colocado o Superman anunciando alguns anos atrás: “Pretendo falar ante as Nações Unidas amanhã e informá-los que estou renunciando à minha cidadania americana”. Quando os escritores de Superman eram liberais, o Superman não era apenas um americano, mas um que lutou pela “Verdade, a justiça e o caminho americano”. Mas no pronunciamento dele, ele explicou que o lema “não é mais suficiente”.

Visão da América: os liberais veneraram a América. Assista filmes americanos da década de 1930 até a década de 1950 e você estará assistindo filmes abertamente patriotas, celebrando a América – praticamente todos produzidos, dirigidos e atuados por liberais. Os liberais entendem bem que a América é imperfeita, mas eles concordam com um ícone liberal chamado Abraham Lincoln que a América é “a última melhor esperança da Terra”.

Para a esquerda, a América é essencialmente um país racista, sexista, violento, homofóbico, xenófobo e islamofóbico. A esquerda ao redor do mundo detesta a América, e é difícil imaginar por que a esquerda americana seria diferente nesse quesito de outros esquerdistas de todo o mundo. Os esquerdistas muitas vezes se ofendem por ter seu amor pela América colocado em dúvida. Mas essas descrições esquerdistas da América não são a única razão para assumir que a esquerda tem mais desprezo do que o amor pela América. A visão esquerdista da América foi encapsulada na declaração do então presidente Barack Obama em 2008. “Estamos a cinco dias de transformar fundamentalmente os Estados Unidos da América”, disse ele.

Agora, se você conhecesse um homem que dissesse que queria transformar a esposa ou uma mulher que dissesse isso sobre o marido, você assumiria que amaram seu cônjuge? Claro que não.

Liberdade de expressão: a diferença entre a esquerda e os liberais em relação à liberdade de expressão é tão dramática quanto a diferença em relação à raça. Ninguém estava mais comprometido do que os liberais americanos com a famosa declaração “Eu desaprovo o que você diz, mas vou defender a morte seu direito de dizer isso”.

Os liberais ainda estão. Mas a esquerda está liderando a primeira supressão nacional da liberdade de expressão na história americana – das universidades ao Google para quase todas as outras instituições e locais de trabalho. Ela afirma apenas se opor ao discurso de ódio. Mas proteger o direito da pessoa A de dizer o que a pessoa B julga censurável é o ponto essencial da liberdade de expressão.

Civilização ocidental: os liberais têm um profundo amor pela civilização ocidental. Eles a ensinaram em praticamente todas as universidades e celebraram suas realizações únicas morais, éticas, filosóficas, artísticas, musicais e literárias. Nenhum liberal teria se juntado ao Rev. Jesse Jackson de esquerda ao cantar na Universidade de Stanford: “Ei, ei. Ho, ho. A civilização ocidental tem que ir embora”. O mais venerado liberal na história americana é provavelmente o ex-presidente Franklin Delano Roosevelt, que freqüentemente citou a necessidade de proteger não apenas a civilização ocidental, mas a civilização cristã. No entanto, os esquerdistas denunciaram por unanimidade o presidente Donald Trump por seu discurso em Varsóvia, na Polônia, no qual ele falou de proteger a civilização ocidental. Eles argumentaram não só que a civilização ocidental não é superior a nenhuma outra civilização, mas também que não é mais do que um eufemismo para a supremacia branca.

Judaísmo e Cristianismo: os liberais conheceram e apreciaram as raízes judaico-cristãs da civilização americana. Eles mesmos foram à igreja ou à sinagoga, ou pelo menos apreciaram que a maioria dos seus companheiros americanos o faziam. O desprezo que a esquerda tem – e sempre teve – pela religião (exceto pelo Islã hoje) não é algo com o qual um liberal jamais teria se identificado.

Se a esquerda não for derrotada, a civilização americana e ocidental não sobreviverá. Mas a esquerda não será derrotada até que bons liberais entendam isso e se juntem à luta. Caros liberais: os conservadores não são seu inimigo. A esquerda é.

 

 

12 de setembro de 2017

*Artigo originalmente publicado pelo Townhall, em tradução livre.

Deixe sua opinião

Poste um comentário

Samaúma Online

Portal


Entre no PORTAL MAÇÔNICO. - Restrito. - Utilize-se da Senha de nove letras minúsculas em que se devem considerar termos no plural.


Mozart – Gran Missa en do m.-10. Et Incarnatus est (Bernstein)


O G20 só fortaleceu Donald Trump.


Basílica de São Pedro


Cenário Brasil e os mercados financeiros aqui e no mundo

Explica ou te devoro
fotos através de paredes
O contrário do Amor é o Poder

Cubana defende Trump e o Agradece


o manual do IDIOTA útil

 

Thatcher sobre Sindicatos e Ocupações
Diego Amorim entrevista o presidente do IBGE
Vaidade das vaidades tudo é vaidade?│Monja Coen

© 2017 Samaúma. DESENVOLVIDO POR IDEIAS WEB COM WordPress.